• R: Salvador, 440, Ed. Soberane - Torre Corporate, 11º andar- Adrianópolis
  • Av. Coronel Teixeira, 6225 | Britannia Park Offices | 6o andar | sala 603 | Ponta Negra (Em breve)
  • (92) 3233-5555, (92) 98118-1168
  • Seg a sex: 12:30h às 20h Sáb 08:00 às 12h e 13:00 às 17h

Blog

Descolamento de retina: causas, sintomas, tratamentos e recomendações

Você já ouviu falar sobre o descolamento de retina? Neste artigo nós responderemos as principais dúvidas sobre o tempo.

Você já ouviu falar sobre o descolamento de retina? Ele é uma urgência médica que se não for tratado corretamente e depressa, pode evoluir e causar a perda total da visão. 

O Dr. Roberto Mascato, membro do ilustre corpo médico do Julia Herrera Hospital de Olhos, vai esclarecer as principais dúvidas sobre a doença. Continue a leitura para saber mais! 

O que é retina?

A retina é uma membrana muito fina, flexível e delicada que reveste a parte  interna posterior do globo ocular. Ela é repleta de receptores fotossensíveis que realizam a função de converter a imagem luminosa vinda do exterior em impulsos elétricos que, através do nervo óptico, são levados para a área do cérebro em que a visão é processada. 

Não existe nenhum elemento de fixação que prenda a retina ao globo ocular. O vítreo, substância gelatinosa e transparente, localizada entre ela e o cristalino, é que a mantém na posição anatômica correta. Em outras palavras, ela faz com que a retina fique em contato com as estruturas que lhe dão suporte e nutrição (vasos sanguíneos e nutrientes). 

Leia também: Quando se deve fazer uma consulta oftalmológica? 

O que é e quais são as principais causas do descolamento de retina?

O descolamento de retina é uma alteração caracterizada pelo deslocamento do vítreo posterior, que pode chegar a causar a ruptura da retina, e por meio dessa ruptura, os fluidos intra oculares podem infiltrar a retina, separando-a  da parede posterior. 

Possuímos três tipos de descolamento de retina, dentre eles temos:

Descolamento de retina regmatogênico: ocorre um rasgo ou quebra na retina que permite que o fluido fique sob a retina e separe-a do epitélio pigmentar da retina. Esses tipos são os mais comuns.

Descolamento de retina tracional: Nesse tipo de descolamento, o tecido cicatricial na superfície da retina se contrai e faz com que a retina se separe do epitélio pigmentar. Esse tipo é o menos comum.

Descolamento de retina exsudativo: frequentemente causada por doenças retinianas, incluindo distúrbios inflamatórios e lesões/traumatismos oculares. Neste tipo, o líquido escapa para a área debaixo da retina, mas não há rasgos ou quebras na retina.

Os principais afetados pelo descolamento de retina são idosos, diabéticos e crianças que tiveram nascimento prematuro.

Quais os fatores de risco do problema?

Existem algumas condições que configuram fatores de risco como: 

  • Diabetes;
  • Traumas;
  • Distúrbios inflamatórios;
  • Histórico familiar de descolamento de retina;
  • Passagem por uma cirurgia de catarata;
  • Lesão ocular;
  • Alto grau de miopia.

O descolamento de retina pode acontecer em qualquer idade?

Sim, mas tende a ocorrer principalmente em pessoas com mais de 40 anos, com comorbidades e recém-nascidos prematuros.

Quais os sintomas?

Os principais sintomas presentes em quadros de descolamento de retina são:

  • Flashes brilhantes de luz;
  • Visão distorcida;
  • Moscas volantes;
  • cegueira em parte da visão.

Como acontece o diagnóstico?

O diagnóstico do descolamento de retina é realizado após uma conversa entre o médico e paciente, com exame na lâmpada de fenda, retinografia e ultrassom.

Como é feito o tratamento?

Existem alguns tipos de tratamento que são indicados dependendo do quadro em que se encontra cada paciente. Dentre eles temos:

  • fotocoagulação a laser: emite um intenso feixe de luz sobre as células do epitélio pigmentado da retina, convertendo-se em energia térmica e aumentando a temperatura do local onde é aplicado. 
  • retinopexia pneumática: procedimento se dá pela injeção de uma certa quantidade de gás no olho, este obstrui o buraco da retina impedindo passagem de líquido por ele.
  • introflexão escleral: sutura, ao redor do olho um segmento composto por silicone, para que ele bloqueie todas as rupturas na retina. 
  • vitrectomia posterior: procedimento cirúrgico que pode ser realizado somente pelo médico oftalmologista, que tem como objetivo remover parcialmente ou totalmente o gel vítreo da estrutura ocular.

Existem formas de prevenção? Se sim, quais?

As principais medidas preventivas contra o descolamento de retina são a consulta anual de rotina com o seu oftalmologista, uso de óculos escuros durante o dia, óculos de proteção para pacientes que necessitem desse suporte.

É muito importante que você fique sempre atento aos sintomas de descolamento de retina e procure ajuda médica caso eles surjam. Gostou do conteúdo? Esperamos que sim! Leia também: Entenda o que é, quais as causas e os sintomas iniciais do glaucoma

Escreva um comentário